Pular para o conteúdo
Início » Blog » Pedra Nos Rins Cirurgia, Preciso Fazer?

Pedra Nos Rins Cirurgia, Preciso Fazer?

Pedra Nos Rins Cirurgia, Preciso Fazer?

Cirurgia de Pedra nos Rins: Uma Visão Geral

A cirurgia de pedra nos rins é uma abordagem médica usada para remover pedras que se formaram nos rins e que não podem ser eliminadas naturalmente. Existem várias técnicas disponíveis, e a escolha da melhor opção depende do tamanho e da localização das pedras, bem como da condição geral do paciente.

Técnicas de Cirurgia de Pedra nos Rins

  1. Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO):
    • Esta técnica utiliza ondas de choque de alta energia para quebrar as pedras em fragmentos menores, facilitando a eliminação.
    • Geralmente, é uma opção para pedras menores.
    • Considerado um método não invasivo
  2. Ureteroscopia:
    • Um tubo fino e flexível é inserido no trato urinário para visualizar e remover pedras diretamente.
    • Útil para pedras no ureter( ureterolítiase) ou nos rins( nefrolitiase).
  3. Cirurgia Percutânea de Nefrolitotomia :
    • Envolve a inserção de um instrumento( nefroscópio) através da pele para acessar e remover pedras maiores dentro dos rins.
    • Indicada para pedras grandes e complexas.( cálculos coraliformes)

Benefícios da Cirurgia de Pedra nos Rins

  • Alívio rápido da dor intensa causada pelas pedras.
  • Prevenção de danos nos rins devido a obstruções.
  • Melhoria da função renal.
  • Redução do risco de infecções urinárias recorrentes.

Riscos e Considerações

  • Como em qualquer procedimento cirúrgico, há riscos, como infecção, sangramento e danos nos órgãos adjacentes.
  • necessidade de uso de cateter duplo j
  • O urologista avaliará cuidadosamente os riscos e benefícios antes de recomendar a cirurgia.

Preparação para a Cirurgia

Antes da cirurgia de pedra nos rins, você precisará:

  • Realizar exames pré-operatórios, tais como ultrassom, tomografia, exames de sangue e urina.
  • Jejuar por algumas horas antes do procedimento.
  • Discutir com seu urologista sobre medicamentos e alergias.
  • Planejar o pós-operatório, incluindo tempo de recuperação e cuidados em casa.

Conclusão

A cirurgia de pedra nos rins é uma opção eficaz para o tratamento de pedras renais problemáticas. No entanto, é importante discutir todas as opções disponíveis com seu médico e compreender os riscos e benefícios associados a cada técnica. Se você está enfrentando a necessidade de uma cirurgia de pedra nos rins, consulte um urologista experiente para orientação personalizada.

Dúvidas

pedra nos rins laser

A litotripsia a laser é um procedimento médico utilizado para tratar pedras nos rins (cálculos renais) e em outros órgãos do trato urinário. Em vez de usar métodos invasivos tradicionais, como cirurgia aberta, a litotripsia a laser é menos invasiva e geralmente envolve menos tempo de recuperação.

Aqui está uma visão geral de como a litotripsia a laser funciona no tratamento de pedras nos rins:

  1. Diagnóstico: Primeiro, o médico realizará exames para diagnosticar a presença e a localização das pedras nos rins.
  2. Preparação: O paciente pode receber anestesia geral ou raqui, dependendo do tamanho e da localização das pedras, bem como das preferências do paciente.
  3. Litotripsia a laser: Um ureteroscópio (um tubo fino com uma câmera na ponta) é inserido na uretra e avançado até o local onde a pedra está localizada. Em seguida, um laser de alta energia é usado para quebrar a pedra em fragmentos menores. O laser é controlado com precisão para minimizar danos aos tecidos circundantes.
  4. Remoção dos fragmentos: Os fragmentos da pedra são retirados do trato urinário usando instrumentos especiais ou podem ser eliminados naturalmente através da urina nas semanas seguintes. Sempre iremos colocar um cateter de duplo j.
  5. Recuperação: A recuperação da litotripsia a laser costuma ser mais rápida do que a cirurgia aberta. O paciente pode experimentar algum desconforto, sangramento mínimo e pode ser instruído a beber bastante água para facilitar a eliminação dos fragmentos de pedra restantes.

cirurgia pedra nos rins duplo j

A colocação de um cateter Duplo J é um procedimento médico comum realizado após cirurgias para tratar pedras nos rins ou outras condições que afetam o trato urinário. Este cateter, também conhecido como stent ureteral, é um dispositivo em forma de “U” feito de material plástico ou silicone flexível. Ele é usado para manter o ureter (o tubo que conecta o rim à bexiga) aberto e permitir que a urina flua livremente.

pedra nos rins ultrassom

A ultrassonografia, também conhecida como ultrassom, é uma das ferramentas de diagnóstico mais comuns usadas para identificar pedras nos rins (cálculos renais). Aqui está uma explicação de como a ultrassonografia é usada para detectar pedras nos rins:

A ultrassonografia é uma ferramenta útil para identificar a presença de pedras nos rins e sua localização geral. No entanto, em alguns casos, pedras muito pequenas ou que estão localizadas profundamente nos rins podem não ser visíveis no ultrassom. Nessas situações, outros exames de imagem, como a tomografia computadorizada (TC) ou a urografia por ressonância magnética (RM) podem ser necessários para obter informações mais detalhadas sobre as pedras e a estrutura do trato urinário.

pedra nos rins urologista ou nefrologista?

Para o diagnóstico e tratamento de pedras nos rins (cálculos renais), você geralmente começará com um urologista. Os urologistas são médicos especializados no tratamento de problemas do trato urinário e do sistema reprodutor masculino, incluindo o diagnóstico e o tratamento de pedras nos rins.

Aqui está o papel de cada especialista:

  1. Urologista: O urologista é o médico que geralmente faz o diagnóstico inicial e determina o tratamento adequado para pedras nos rins. Eles têm experiência em lidar com condições relacionadas ao trato urinário, incluindo cálculos renais. Se as pedras forem pequenas o suficiente, o urologista pode recomendar tratamentos não invasivos, como a terapia expulsiva, mudanças na dieta, ou procedimentos como litotripsia a laser ou cirurgia minimamente invasiva para remoção das pedras. Se houver complicações graves ou recorrência frequente de pedras, o urologista pode encaminhar o paciente para um nefrologista para avaliação adicional.
  2. Nefrologista: O nefrologista é um médico especializado em doenças renais e é mais frequentemente envolvido quando há preocupações relacionadas à função renal devido a pedras nos rins. Se as pedras causaram danos aos rins ou se o paciente tem outras condições renais subjacentes, o nefrologista pode ajudar a monitorar e gerenciar essas condições. Em casos raros, quando as pedras nos rins estão relacionadas a condições metabólicas subjacentes, como hiperparatireoidismo ou acidose tubular renal, o nefrologista pode desempenhar um papel fundamental no tratamento a longo prazo

pedra nos rins tem que fazer cirurgia?

A necessidade de cirurgia para tratar pedras nos rins (cálculos renais) depende de vários fatores, incluindo o tamanho, a localização, a composição das pedras e os sintomas que você está experimentando. Nem todas as pedras nos rins exigem cirurgia. Na verdade, muitas pedras podem ser tratadas de forma não cirúrgica. Aqui estão algumas opções de tratamento para pedras nos rins:

  1. Aguardar: Muitas pedras nos rins são pequenas e podem ser eliminadas naturalmente através da urina sem a necessidade de tratamento médico. Se a pedra for pequena e não estiver causando sintomas graves, o urologista pode recomendar simplesmente esperar e monitorar a passagem da pedra.
  2. Medicamentos: Em alguns casos, os médicos podem prescrever medicamentos para ajudar a aliviar a dor e facilitar a passagem das pedras, tais como a tansulosina. Além disso, medicamentos específicos podem ser recomendados para dissolver ou reduzir o crescimento de certos tipos de pedras, como as de ácido úrico.
  3. Litotripsia Extracorpórea por Ondas de Choque (LECO): A LECo é um procedimento que utiliza ondas de choque para quebrar pedras nos rins em fragmentos menores, que podem ser eliminados naturalmente através da urina. Este procedimento é não invasivo e geralmente é uma opção para pedras de tamanho moderado.
  4. Procedimentos minimamente invasivos: Para pedras maiores ou pedras que não podem ser tratadas com métodos não cirúrgicos, podem ser necessários procedimentos minimamente invasivos. Alguns exemplos incluem a ureteroscopia a laser (para fragmentar e remover pedras usando um ureteroscópio) e a nefrolitotomia percutânea (para pedras maiores ou mais complicadas, acessando o rim através de uma pequena incisão na pele).
  5. Cirurgia aberta: A cirurgia aberta para remoção de pedras nos rins é muito rara e geralmente é reservada para casos complexos em que outros tratamentos não são viáveis.

A decisão sobre qual tratamento é o mais adequado depende das características específicas das pedras e da avaliação do médico. Portanto, é essencial procurar um médico, geralmente um urologista, que possa avaliar sua condição, determinar o tamanho e a composição das pedras e recomendar o tratamento mais apropriado com base no seu caso individual. Não tente tratar ou remover as pedras por conta própria, pois isso pode levar a complicações. Busque orientação médica adequada para um tratamento seguro e eficaz.

pedra nos rins especialista, pedra nos rins qual especialista procurar?

Para o diagnóstico e tratamento de pedras nos rins (cálculos renais), você deve procurar um médico especializado em urologia. O urologista é o especialista médico que se dedica ao diagnóstico e tratamento de distúrbios do trato urinário e do sistema reprodutor masculino, incluindo pedras nos rins. Eles têm a experiência e o conhecimento necessários para avaliar, diagnosticar e tratar adequadamente essa condição.

Ao consultar um urologista, eles realizarão exames, como ultrassonografias, radiografias e tomografias computadorizadas, para avaliar a presença, tamanho, localização e composição das pedras nos rins. Com base nos resultados dos exames e em sua avaliação clínica, o urologista discutirá as opções de tratamento adequadas para o seu caso específico.

É importante lembrar que a urologia é a especialidade médica que lida com uma ampla gama de questões relacionadas ao trato urinário e aos órgãos reprodutores masculinos, não apenas pedras nos rins. Portanto, o urologista é o especialista mais adequado para abordar essa condição e fornecer orientação adequada.

Se você suspeitar de pedras nos rins ou tiver sintomas como dor lombar, dor abdominal, sangue na urina ou dificuldade em urinar, não hesite em marcar uma consulta com um urologista. Eles poderão fornecer a avaliação e o tratamento necessários para ajudá-lo a lidar com essa condição de forma eficaz.

pedra nos rins exame

Para diagnosticar pedras nos rins (cálculos renais) e avaliar sua presença, tamanho, localização e composição, vários exames médicos e de imagem podem ser utilizados. Os principais exames para diagnosticar pedras nos rins incluem:

  1. Ultrassonografia abdominal e renal: A ultrassonografia é um exame não invasivo que utiliza ondas sonoras para criar imagens dos órgãos internos do corpo. Ela pode ser usada para detectar pedras nos rins e determinar sua localização geral. No entanto, nem todas as pedras são visíveis na ultrassonografia, especialmente se forem pequenas ou localizadas profundamente nos rins.
  2. Tomografia computadorizada (TC) abdominal: A TC é um exame de imagem mais sensível e preciso para detectar e avaliar pedras nos rins. Ela fornece imagens detalhadas que podem identificar o tamanho, a localização exata e a composição das pedras. A TC é frequentemente usada quando há suspeita de pedras nos rins, especialmente em casos de dor intensa, sangramento urinário ou quando outros exames não fornecem informações claras.
  3. Radiografia abdominal: Uma radiografia simples do abdômen também pode ser usada para detectar pedras nos rins, especialmente se elas forem de cálcio, que são radiopacas (visíveis nas radiografias).
  4. Análise de urina: Um exame de urina pode identificar a presença de sangue na urina, o que pode ser um sinal de pedras nos rins. Além disso, a análise da urina pode fornecer informações sobre a composição das pedras.
  5. Exames de sangue: Alguns exames de sangue, como a dosagem de creatinina e a taxa de filtração glomerular (TFG), podem ser realizados para avaliar a função renal, especialmente se houver suspeita de obstrução do trato urinário devido às pedras.

pedra nos rins da dor nas costas?

Sim, as pedras nos rins podem causar dor nas costas. A dor nas costas é um sintoma comum associado às pedras nos rins e é muitas vezes descrita como uma dor lombar intensa e aguda. Essa dor é conhecida como “cólica renal” e ocorre quando uma pedra se move do rim para o ureter (o tubo que conecta o rim à bexiga) ou fica presa no ureter. A dor pode variar em intensidade e duração, mas geralmente é bastante incômoda.

A dor nas costas causada por pedras nos rins pode se manifestar nas seguintes características:

  1. Localização: A dor geralmente é sentida na região lombar, que é a parte inferior das costas, no lado onde o rim afetado está localizado.
  2. Intensidade: A dor pode ser bastante intensa e, frequentemente, é descrita como uma dor latejante e aguda. A intensidade da dor pode variar de pessoa para pessoa e também depende do tamanho e da localização da pedra.
  3. Irradiação: À medida que a pedra se move pelo ureter em direção à bexiga, a dor pode irradiar para a parte inferior do abdômen ou para a virilha. Isso ocorre porque a obstrução parcial ou completa do ureter pode causar espasmos musculares e pressão no trato urinário.

Outros sintomas que podem estar associados à cólica renal incluem náuseas, vômitos, sangue na urina (hematúria) e micção frequente ou dolorosa. É importante procurar assistência médica se você suspeitar de pedras nos rins ou experimentar dor lombar intensa ou outros sintomas associados. O diagnóstico adequado e o tratamento oportuno são essenciais para aliviar a dor, remover ou tratar as pedras e evitar complicações. Se a dor nas costas for muito intensa ou se houver sinais de infecção, é importante procurar atendimento médico imediatamente.

pedra nos rins pode causar câncer?

Não, pedras nos rins (cálculos renais) não causam câncer. As pedras nos rins são depósitos sólidos que se formam no trato urinário devido à concentração de minerais e sais, como cálcio, oxalato, ácido úrico ou cistina. Elas são formadas por uma variedade de fatores, incluindo dieta, genética, desidratação e condições médicas subjacentes, mas não estão relacionadas ao câncer.

O câncer é uma doença caracterizada pelo crescimento descontrolado e anormal das células em um determinado órgão ou tecido. É uma condição complexa que pode ser influenciada por fatores genéticos, ambientais e comportamentais, como o tabagismo, a exposição a produtos químicos carcinogênicos e a predisposição genética.

No entanto, é importante ressaltar que, embora as pedras nos rins em si não causem câncer, os sintomas de pedras nos rins, como sangue na urina, podem ser semelhantes aos sintomas de alguns cânceres urológicos, como o câncer de bexiga. Portanto, qualquer sintoma urinário persistente, incluindo sangramento urinário, deve ser avaliado por um médico para descartar outras condições médicas.

Para a prevenção de pedras nos rins, recomenda-se a ingestão adequada de líquidos, a adoção de uma dieta equilibrada e, em alguns casos, o tratamento médico para controlar fatores de risco subjacentes, como hiperparatireoidismo ou distúrbios metabólicos.

pedra nos rins causa infecção urinária?

Sim, pedras nos rins (cálculos renais) podem aumentar o risco de infecções do trato urinário (ITU). Isso ocorre porque as pedras nos rins podem criar um ambiente favorável para o crescimento de bactérias no trato urinário e também podem causar obstrução parcial ou completa do fluxo de urina, o que pode contribuir para a infecção.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais as pedras nos rins podem estar relacionadas a infecções do trato urinário:

  1. Obstrução urinária: Pedras nos rins podem bloquear o fluxo de urina através do ureter, o tubo que conecta o rim à bexiga. Isso pode levar à estagnação da urina no trato urinário, o que cria um ambiente propício para o crescimento de bactérias. A obstrução/hidronefrose também pode dificultar a eliminação de bactérias da bexiga durante a micção.
  2. Arranhões e ferimentos: À medida que as pedras se movem pelo trato urinário, elas podem arranhar ou ferir o revestimento interno do trato urinário, tornando-o mais suscetível a infecções bacterianas.
  3. Resíduos e depósitos: Às vezes, as pedras nos rins podem servir como pontos de ancoragem para depósitos minerais e resíduos, que podem se acumular e criar um ambiente onde as bactérias podem proliferar.

Portanto, se você tem pedras nos rins e experimenta sintomas de infecção do trato urinário, como dor ao urinar, micção frequente, urgência urinária, dor na parte inferior do abdômen ou na região lombar, ou sangue na urina, é importante procurar atendimento médico. O médico urologista poderá diagnosticar a infecção urinária e prescrever tratamento, geralmente com antibióticos, para combatê-la.

pedra nos rins alimentos que devem ser evitados, pedra nos rins alimentação

Se você tem pedras nos rins ou está propenso a desenvolvê-las, é importante adotar uma dieta que ajude a prevenir a formação de novas pedras e a reduzir o risco de recorrência. Certos alimentos e bebidas podem contribuir para a formação de pedras, e é aconselhável evitar ou limitar o consumo deles. Lembre-se de que as recomendações dietéticas podem variar de acordo com o tipo de pedra que você está propenso a desenvolver (por exemplo, pedras de cálcio, ácido úrico, oxalato ou cistina). Aqui estão algumas diretrizes gerais para uma dieta que ajude a prevenir pedras nos rins:

  1. Reduza o consumo de sal: O excesso de sódio na dieta pode aumentar a excreção de cálcio na urina, o que pode contribuir para a formação de pedras de cálcio. Evite alimentos processados, fast food e refeições muito salgadas.
  2. Limite a ingestão de proteína animal: Consumir uma quantidade excessiva de proteína animal, especialmente carne vermelha e carne processada, pode aumentar o risco de formação de pedras, especialmente de ácido úrico. Opte por fontes magras de proteína animal e inclua proteínas vegetais em sua dieta.
  3. Reduza o consumo de alimentos ricos em oxalato: Alimentos ricos em oxalato, como espinafre, beterraba, nozes, amêndoas, chá preto, chocolate, entre outros, podem contribuir para a formação de pedras de oxalato de cálcio. Isso não significa que você deve evitar completamente esses alimentos, mas é recomendável limitar seu consumo e consumi-los com moderação.
  4. Beba bastante líquido: A hidratação adequada é fundamental para prevenir pedras nos rins. Beba água regularmente ao longo do dia para diluir a urina e evitar a concentração de minerais que podem levar à formação de pedras.
  5. Controle o consumo de oxalato: Além de reduzir alimentos ricos em oxalato, é importante combinar esses alimentos com fontes de cálcio, como laticínios, para ajudar a reduzir a absorção de oxalato pelo organismo.
  6. Limite o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas: O consumo excessivo de bebidas adoçadas pode aumentar o risco de pedras nos rins. Opte por água, chás sem adição de açúcar ou água com limão ou lima espremidos.
  7. Modere o consumo de álcool e cafeína: Bebidas alcoólicas e cafeína podem contribuir para a desidratação, o que aumenta o risco de formação de pedras. Consuma com moderação e certifique-se de manter uma ingestão adequada de líquidos.

pedra nos rins mata?

Pedras nos rins (cálculos renais) não são geralmente consideradas uma condição que ameaça imediatamente a vida. No entanto, embora as pedras em si não sejam uma ameaça mortal, elas podem causar dor intensa e desconforto significativo, além de levar a complicações graves em casos raros. Algumas complicações que podem ocorrer devido a pedras nos rins incluem:

  1. Infecção urinária: As pedras nos rins podem aumentar o risco de infecções do trato urinário, que podem se tornar graves se não forem tratadas adequadamente.
  2. Obstrução urinária: Pedras que ficam presas no ureter (o tubo que conecta o rim à bexiga) podem bloquear o fluxo de urina, levando à obstrução urinária e à retenção urinária.
  3. Lesão renal: Em casos graves de obstrução, a pressão aumentada no rim afetado pode levar a lesões renais, embora isso seja raro.
  4. Sangramento: Pedras nos rins podem causar sangramento na urina (hematúria), o que pode ser preocupante e exigir tratamento.
  5. Recorrência: Pessoas com histórico de pedras nos rins têm maior probabilidade de desenvolver novas pedras no futuro, o que pode causar desconforto recorrente.
  6. Sepse Urinária: infecções urinárias devido a cálculos podem sim ser graves e levar a uma sepse urinária potencialmente fatal, principalmente em idosos e imunodeprimidos.

A gravidade das complicações depende da localização, do tamanho e do tipo de pedra, bem como da rapidez com que a condição é diagnosticada e tratada. A maioria das pessoas com pedras nos rins consegue lidar com a condição por meio de tratamento médico adequado, que pode incluir mudanças na dieta, aumento da ingestão de líquidos, medicamentos para controlar a dor e procedimentos médicos para remover ou quebrar as pedras.

Em casos raros, quando ocorrem complicações graves e não tratadas, as pedras nos rins podem causar danos permanentes aos rins ou levar a infecções sistêmicas graves, mas essas situações são excepcionais.

pedra nos rins onde doi?

Pedras nos rins (cálculos renais) podem causar dor em várias partes do corpo, dependendo de sua localização e do movimento das pedras no trato urinário. A dor associada a pedras nos rins é frequentemente descrita como uma das dores mais intensas que uma pessoa pode experimentar. Os locais comuns de dor incluem:

  1. Dor lombar: A dor lombar é o sintoma mais comum de pedras nos rins. Ela geralmente é sentida na região das costas, abaixo das costelas, em um dos lados. A dor lombar pode ser latejante, aguda e intensa, e pode variar em intensidade dependendo do tamanho e da posição da pedra.
  2. Dor abdominal: A dor causada por pedras nos rins também pode ser sentida na parte inferior do abdômen, em geral no mesmo lado onde a pedra está localizada. Essa dor pode ser confundida com uma apendicite ou outras condições abdominais.
  3. Dor na virilha: À medida que uma pedra nos rins se move do rim para o ureter (o tubo que conecta o rim à bexiga), pode causar dor na área da virilha, conforme se aproxima da bexiga.
  4. Dor ao urinar: Algumas pessoas com pedras nos rins podem sentir dor ao urinar, especialmente se a pedra estiver próxima da bexiga ou estiver causando irritação na uretra.
  5. Sangue na urina: Em alguns casos, pedras nos rins podem causar sangramento na urina (hematúria), o que pode ser acompanhado de dor.

É possível consultar pelo plano de saúde?

sim, realizo atendimentos e cirurgias por diversos planos de saúde assim, como pelo saúde Bradesco, Amil, Sulamerica.

É possível realizar cirurgias pelo plano de saúde?

Sim, conseguimos realizar algumas cirurgias pela maioria dos planos de saúde.

Cirurgias nos principais hospitais de BH ( Mater Dei Bh, Vila da Serra, Uromaster) e clínica de urologia BH.

Procure sempre seu urologista, e mantenha seus exames em dia. Urologista BH, Uro BH, urologista em Nova Serrana, Urologista em Pará de Minas, Urologista Pitangui.

Gostou do artigo? Ainda tem dúvidas? acesse meu blog onde tenho outros artigos relacionados:

www.drleone.com.br/blog

www.imandrologia.com.br/blog

Deseja marcar uma consulta? online ou presencial?

Teleconsulta

Consulta Presencial

WhatsApp

Marcações:

2 comentários em “Pedra Nos Rins Cirurgia, Preciso Fazer?”

  1. Pingback: Duplo J Rim - Dr. Fernando Leone - Urologista BH

  2. Pingback: Cirurgia de Pedra nos Rins pela Uretra Dr. Fernando Leone - Urologista BH

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?